English | Português

Login de Utilizador

Esqueceu a senha?

Pioneiro a operar JUE na Região Austral

Pioneiro a operar JUE na Região Austral

12 dezembro 2011

Com a implementação da Janela Única Electrónica (JUE), o nosso País torna-se um dos primeiros na região Austral de África a operar este sistema inovador, segundo revelou o PCE do Grupo SGS, uma multinacional suíça.

Intervindo na cerimónia de lançamento da JUE, Chris Kirk reafirmou o cometimento do Grupo SGS para assegurar a implementação integral do sistema com êxito, assim como a “prontidão para participar em outras iniciativas do Governo moçambicano para melhorar o ambiente de negócios no País”.

“A introdução da Janela Única Electrónica demonstra o compromisso real do Governo moçambicano para facilitar o comércio e aumentar a transparência e igualmente proteger e melhorar as receitas do Estado”, frisou Chris Kirk.

Chris Kirk sustentou ainda que o sistema da Janela Única Electrónica reduzirá drasticamente a necessidade de papel, a repetição de informações e a necessidade de se efectuarem deslocações a várias instituições, podendo o pagamento de direitos e impostos ser realizado através do Internet Banking.

Pelo mesmo diapasão, foi o chefe da TIMAR –Terminal Internacional Marítima, no Porto de Maputo, Adriano Chaúque, ao assegurar que a introdução do novo sistema electrónico vai reduzir a burocracia que o próprio processo de desembaraço de mercadorias requer, de 48 horas ou mais, para cinco ou dez minutos, dependendo da complexidade da declaração aduaneira.

Para o director Regional Sul das Alfândegas, a primeira vantagem da JUE é a facilitação do comércio: “o que nós almejamos é que os tempos de desembaraço de mercadorias sejam os mínimos possíveis”, realçou Daniel Tovela.

Entretanto, o presidente da Associação de im¬portadores informais, denominada Mukhero, Sudekar Novela, diz que não há dúvidas que o projecto vai imprimir uma nova dinâmica no processo de desembaraço de mercadorias, implicando a diminuição do envolvimento físico dos funcionários aduaneiros, porque o importador vai pagar directamente os encargos da operação nos bancos comerciais.