English | Português

Login de Utilizador

Esqueceu a senha?

País africano de expressão francesa interessa-se pela JUE

País africano de expressão francesa interessa-se pela JUE

21 dezembro 2012

Tal como tem vindo a acontecer desde o início da implementação do sistema de desembaraço célere de mercadorias, Janela Única Electrónica (JUE), países africanos com a mesma preocupação de facilitar o comércio internacional têm visitado Moçambique para colher experiências sobre o sucesso registado na implementação do sistema de desembaraço recomendado pela Organização Mundial das Alfândegas (OMA).

O Gabão, um país da África Central, de expressão francesa, enviou igualmente uma delegação composta por membros da Agência de Promoção de Investimento e Exportação daquele país, para uma visita de trabalho de dois dias, a Moçambique.

Ao receber a delegação do Gabão, o presidente da Autoridade Tributária de Moçambique, Rosário Fernandes, acompanhado por seus directores gerais e adjuntos, manifestou o seu agrado por países africanos em franco desenvolvimento como o Gabão, terem-se deslocado a Moçambique para adquirir experiências, reiterando a disponibilidade para a cooperação assim como para a prestação de esclarecimentos de quaisquer dúvidas relacionadas com o processo de implementação do sistema JUE, através das suas equipes.

Del-Gabao.jpg

Por se tratar da estância, onde iniciou a fase piloto deste sistema de desembaraço aduaneiro, o Terminal Internacional Marítimo de Maputo (TIMAR) foi um dos locais visitados pelos Gaboneses, cujo país regista um volume de transacções comerciais por via marítima correspondente a 90 por cento do volume global de transacções, razão pela qual a delegação acredita que a implementação de um sistema como a Janela Única Electrónica vai contribuir para a melhoria do processo de desembaraço das mercadorias e consequentemente o comércio externo.

No Standard Bank, um dos bancos comerciais participantes da JUE, os visitantes tiveram a oportunidade de aferir in loco aos serviços relacionados com a JUE, na agência sede daquela instituição financeira, em Maputo.

Durante a visita, a delegação quis saber das reais motivações que levaram o Standard Bank, como instituição privada, a embarcar no projecto da JUE, ao que o representante do Banco, Abdul Razac, disse: ”Com a introdução deste sistema vai permitir a captação de alguma clientela que não trabalhava com o Banco e que vai começar a ver que nós também estamos envolvidos com o processo tecnológico para acompanhar o que se passa no mercado e ao mesmo tempo acompanhar as autoridades do País no desenvolvimento dos processos de implementação de pagamentos cada vez mais rápidos e fiáveis de modo a tornar o processo mais rápido e fácil para os clientes”.

Del-Gabao-Standard-bank2.png  IMG_7447.JPG

Já no Centro de Operações e o Centro de Formação da JUE, a delegação obteve explicações detalhadas sobre a arquitectura e funcionamento do sistema, bem como observou como é gerida a capacitação dos quadros para o uso do sistema, factor chave para a eficiente utilização do sistema JUE.

A delegação do Gabão ficou impressionada com o facto de a formação ser grátis para toda a comunidade envolvida no comércio externo e ainda beneficiar de materiais de consulta, nomeadamente o manual e/ou DVD interactivo em função do módulos envolvidos.